Resultados da aprendizagem

  • Discutir os diferentes tipos de tecidos conjuntivos nos animais

Tecidos conjuntivos Os tecidos conjuntivos são constituídos por uma matriz composta por células vivas e uma substância não viva, denominada substância fundamental. A substância fundamental é composta por uma substância orgânica (geralmente uma proteína) e uma substância inorgânica (geralmente um mineral ou água). A principal célula dos tecidos conjuntivos é o fibroblasto. Esta célula produz as fibras que se encontram em quase todos os tecidos conjuntivos. Os fibroblastos são móveis,Os macrófagos, linfócitos e, ocasionalmente, leucócitos podem ser encontrados em alguns dos tecidos. Alguns tecidos têm células especializadas que não são encontradas nos outros. matriz Quando um tecido conjuntivo tem uma elevada concentração de células ou fibras, tem proporcionalmente uma matriz menos densa.

As fibras orgânicas ou proteicas que se encontram nos tecidos conjuntivos são fibras de colagénio, fibras elásticas ou fibras reticulares. As fibras de colagénio conferem resistência ao tecido, impedindo que este se rasgue ou se separe dos tecidos circundantes. As fibras elásticas são constituídas pela proteína elastina; esta fibra pode esticar-se até uma vez e meia do seu comprimento e voltar ao seu tamanho e forma originais. Fibras elásticasAs fibras reticulares são o terceiro tipo de fibra proteica encontrada nos tecidos conjuntivos. Esta fibra consiste em finos filamentos de colagénio que formam uma rede de fibras para suportar o tecido e outros órgãos aos quais está ligado. Os vários tipos de tecidos conjuntivos, os tipos de células e fibras de que são feitos e as localizações das amostras dos tecidos estão resumidosno Quadro 1.

Tabela 1: Tecidos conjuntivos
Tecido Células Fibras Localização
solto/areolar fibroblastos, macrófagos, alguns linfócitos, alguns neutrófilos poucos: colagénio, elástico, reticular à volta dos vasos sanguíneos; fixa os epitélios
tecido conjuntivo denso e fibroso fibroblastos, macrófagos, principalmente colagénio irregular: pele regular: tendões, ligamentos
cartilagem condrócitos, condroblastos hialina: pouco colagénio fibrocartilagem: grande quantidade de colagénio esqueleto de tubarão, ossos fetais, orelhas humanas, discos intervertebrais
osso osteoblastos, osteócitos, osteoclastos alguns: colagénio, elástico esqueletos de vertebrados
adiposo adipócitos poucos adiposo (gordura)
sangue glóbulos vermelhos, glóbulos brancos nenhum sangue

Tecido conjuntivo frouxo/areolar

Figura 1. O tecido conjuntivo frouxo é composto por fibras elásticas e de colagénio frouxamente tecidas. As fibras e outros componentes da matriz do tecido conjuntivo são segregados pelos fibroblastos.

Tecido conjuntivo frouxo Como ilustrado na Figura 1, o tecido conjuntivo frouxo tem alguns fibroblastos; os macrófagos também estão presentes. As fibras de colagénio são relativamente largas e coram-se de rosa claro, enquanto as fibras elásticas são finas e coram-se de azul escuro a preto. O espaço entre os elementos formados do tecido é preenchido comO material do tecido conjuntivo confere-lhe uma consistência frouxa, semelhante a uma bola de algodão que foi puxada para fora. O tecido conjuntivo frouxo encontra-se à volta de todos os vasos sanguíneos e ajuda a manter o vaso no lugar. O tecido também se encontra à volta e entre a maioria dos órgãos do corpo. Em resumo, o tecido areolar é resistente, mas flexível, e inclui membranas.

Tecido conjuntivo fibroso

Tecidos conjuntivos fibrosos As fibras podem estar dispostas de forma irregular ou regular, com os filamentos alinhados paralelamente. Os tecidos conjuntivos fibrosos dispostos de forma irregular encontram-se em áreas do corpo onde o stress ocorre em todas as direcções, como a derme da pele. O tecido conjuntivo fibroso regular, mostrado na Figura 2, encontra-se nos tendões (queque ligam os músculos aos ossos) e os ligamentos (que ligam os ossos aos ossos).

Figura 2. O tecido conjuntivo fibroso do tendão tem filamentos de fibras de colagénio alinhados em paralelo.

Cartilagem

Cartilagem é um tecido conjuntivo com uma grande quantidade de matriz e quantidades variáveis de fibras. As células, chamadas condrócitos Os condrócitos encontram-se em espaços dentro do tecido chamados lacunas .

Figura 3: A cartilagem hialina é constituída por uma matriz com células chamadas condrócitos, que se encontram em cavidades na matriz chamadas lacunas.

Uma cartilagem com poucas fibras colagénicas e elásticas é a cartilagem hialina, ilustrada na Figura 3. As lacunas estão espalhadas aleatoriamente por todo o tecido e a matriz assume um aspeto leitoso ou esfregado com as colorações histológicas de rotina. Os tubarões têm esqueletos cartilaginosos, tal como quase todo o esqueleto humano durante uma fase específica de desenvolvimento antes do nascimento. Um remanescente desta cartilagemA cartilagem hialina também se encontra nas extremidades dos ossos longos, reduzindo o atrito e amortecendo as articulações desses ossos.

A cartilagem elástica tem uma grande quantidade de fibras elásticas, o que lhe confere uma enorme flexibilidade. As orelhas da maioria dos animais vertebrados contêm esta cartilagem, tal como partes da laringe ou da caixa vocal. A fibrocartilagem contém uma grande quantidade de fibras de colagénio, o que confere ao tecido uma enorme resistência. A fibrocartilagem constitui os discos intervertebrais dos animais vertebrados. A cartilagem hialina, que se encontra emA cartilagem hialina danificada é substituída por fibrocartilagem, o que faz com que as articulações se tornem "rígidas".

Osso

O osso, ou tecido ósseo, é um tecido conjuntivo que possui uma grande quantidade de dois tipos diferentes de material de matriz. A matriz orgânica é semelhante ao material de matriz encontrado noutros tecidos conjuntivos, incluindo alguma quantidade de colagénio e fibras elásticas. Isto dá força e flexibilidade ao tecido. A matriz inorgânica consiste em sais minerais - principalmente sais de cálcio - que dão ao tecidoSem material orgânico adequado na matriz, o tecido rompe-se; sem material inorgânico adequado na matriz, o tecido dobra-se.

Existem três tipos de células no osso: osteoblastos, osteócitos e osteoclastos. Os osteoblastos são activos na produção de osso para crescimento e remodelação. Os osteoblastos depositam material ósseo na matriz e, depois de a matriz os envolver, continuam a viver, mas num estado metabólico reduzido, como osteócitos. Os osteócitos encontram-se nas lacunas do osso. Os osteoclastos são activos na decomposição do osso paraOs osteoclastos são normalmente encontrados na superfície do tecido.

O osso pode ser dividido em dois tipos: compacto e esponjoso. O osso compacto encontra-se na haste (ou diáfise) de um osso longo e na superfície dos ossos chatos, enquanto o osso esponjoso se encontra na extremidade (ou epífise) de um osso longo. O osso compacto está organizado em subunidades chamadas osteões Um vaso sanguíneo e um nervo encontram-se no centro da estrutura, dentro do canal de Haversian, com círculos radiantes de lacunas à sua volta, conhecidas como lamelas. As linhas onduladas vistas entre as lacunas são microcanais chamados canalículos O osso esponjoso é constituído por pequenas placas chamadas trabéculas Com o tempo, estas placas podem partir-se, tornando o osso menos resistente. O tecido ósseo forma o esqueleto interno dos animais vertebrados, fornecendo estrutura ao animal e pontos de fixação para os tendões.

Figura 4. (a) O osso compacto é uma matriz densa na superfície exterior do osso. O osso esponjoso, no interior do osso compacto, é poroso com trabéculas em forma de rede. (b) O osso compacto está organizado em anéis chamados osteões. Os vasos sanguíneos, nervos e vasos linfáticos encontram-se no canal de Haversian central. Anéis de lamelas rodeiam o canal de Haversian. Entre as lamelas existem cavidades chamadas lacunas.Os canalículos são microcanais que ligam as lacunas entre si. (c) Os osteoblastos rodeiam o exterior do osso. Os osteoclastos perfuram túneis no interior do osso e os osteócitos encontram-se nas lacunas.

Tecido adiposo

Figura 5. O tecido adiposo é um tecido conjuntivo constituído por células chamadas adipócitos. Os adipócitos têm pequenos núcleos localizados no bordo da célula.

O tecido adiposo, ou tecido adiposo, é considerado um tecido conjuntivo, apesar de não ter fibroblastos ou uma verdadeira matriz e de ter apenas algumas fibras. O tecido adiposo é constituído por células chamadas adipócitos que recolhem e armazenam gordura sob a forma de triglicéridos, para o metabolismo energético. Os tecidos adiposos servem também de isolamento para ajudar a manter a temperatura do corpo, permitindo que os animais sejamAo microscópio, as células do tecido adiposo parecem vazias devido à extração de gordura durante o processamento do material para visualização, como se pode ver na Figura 5. As linhas finas na imagem são as membranas celulares e os núcleos são os pequenos pontos pretos nas extremidades das células.

Sangue

O sangue é considerado um tecido conjuntivo porque tem uma matriz, como mostra a Figura 6. Os tipos de células vivas são os glóbulos vermelhos (hemácias), também chamados eritrócitos, e os glóbulos brancos (leucócitos), também chamados leucócitos. A parte fluida do sangue total, sua matriz, é comumente chamada de plasma.

Figura 6. O sangue é um tecido conjuntivo que tem uma matriz fluida, chamada plasma, e não tem fibras. Os eritrócitos (glóbulos vermelhos), o tipo de célula predominante, estão envolvidos no transporte de oxigénio e dióxido de carbono. Também estão presentes vários leucócitos (glóbulos brancos) envolvidos na resposta imunitária.

A célula encontrada em maior abundância no sangue é o eritrócito. Os eritrócitos são contados aos milhões numa amostra de sangue: o número médio de glóbulos vermelhos em primatas é de 4,7 a 5,5 milhões de células por microlitro. Os eritrócitos têm consistentemente o mesmo tamanho numa espécie, mas variam de tamanho entre espécies. Por exemplo, o diâmetro médio de um glóbulo vermelho de primata é de 7,5 µl, o de um cão é de cerca de7,0 µl, mas o diâmetro das hemácias de um gato é de 5,9 µl. Os eritrócitos de ovelha são ainda mais pequenos, com 4,6 µl. Os eritrócitos dos mamíferos perdem os seus núcleos e mitocôndrias quando são libertados da medula óssea onde são produzidos. Os eritrócitos dos peixes, anfíbios e aves mantêm os seus núcleos e mitocôndrias durante toda a vida da célula.tecidos.

Os leucócitos são os glóbulos brancos predominantes no sangue periférico. Os leucócitos são contados aos milhares no sangue, sendo as medições expressas em intervalos: as contagens nos primatas variam entre 4 800 e 10 800 células por µl, nos cães entre 5 600 e 19 200 células por µl, nos gatos entre 8 000 e 25 000 células por µl, nos bovinos entre 4 000 e 12 000 células por µl e nos suínos entre 11 000 e 22 000 células por µl.

Os linfócitos funcionam principalmente na resposta imunitária a antigénios ou materiais estranhos. Diferentes tipos de linfócitos produzem anticorpos adaptados aos antigénios estranhos e controlam a produção desses anticorpos. Os neutrófilos são células fagocíticas e participam numa das primeiras linhas de defesa contra invasores microbianos, ajudando na remoção de bactérias que entraram no corpo.Outro leucócito que se encontra no sangue periférico é o monócito. Os monócitos dão origem a macrófagos fagocíticos que limpam as células mortas e danificadas do corpo, quer sejam estranhas ou do animal hospedeiro. Dois leucócitos adicionais no sangue são os eosinófilos e os basófilos - ambos ajudam a facilitar a resposta inflamatória.

O material ligeiramente granuloso entre as células é um fragmento citoplasmático de uma célula da medula óssea, denominado plaqueta ou trombócito. As plaquetas participam nas fases que antecedem a coagulação do sangue para parar a hemorragia através de vasos sanguíneos danificados. O sangue tem várias funções, mas principalmente transporta material através do corpo para levar nutrientes às células e remover resíduosmaterial deles.

Patologista

Um patologista é um médico ou veterinário que se especializou na deteção laboratorial de doenças em animais, incluindo seres humanos. Estes profissionais completam a formação na escola médica e seguem-na com uma extensa residência de pós-graduação num centro médico. Um patologista pode supervisionar laboratórios clínicos para a avaliação de amostras de tecido corporal e de sangue para a deteção de doençasExaminam amostras de tecido através de um microscópio para identificar cancros e outras doenças. Alguns patologistas realizam autópsias para determinar a causa da morte e a progressão da doença.

Experimentar

Contribuir!

Tem alguma ideia para melhorar este conteúdo? Gostaríamos de receber a sua opinião.

Melhorar esta páginaSaber mais

Rolar para o topo